EAP é o principal ponto cervejeiro de São Paulo

Emporio Alto de Pinheiros
EAP tem quase 700 cervejas nacionais e importadas (Foto: Juliana Ribeiro)


Conheci o EAP Empório Alto dos Pinheiros em dezembro de 2013, quando um grupo de amigos falou de um novo bar em Pinheiros, bairro boêmio de São Paulo (SP), bom para beber cerveja importada. Fiquei encantada com o lugar assim que cheguei porque nunca havia ido a um bar como aquele.

Me chamou atenção a grande variedade de estilos e origens das cervejas e chopes disponíveis. Gostei tanto que, até hoje, continuo frequentando o lugar.

Parque de diversões adulto

Quando vou ao EAP, vejo que o estilo descontraído e a grande variedade de cervejas continua igual. O cliente ainda pode pegar as garrafas (algumas ultrapassam os R$ 300), ler os rótulos, consultar os preços e, se decidir, pedir para o garçom abrir a garrafa e trazer um copo.

Poucos lugares do mundo permitem isso, o que é um grande atrativo para quem gosta de cervejas especiais. Outra vantagem é que o EAP oferece, quase sempre, cervejas importadas na versão chope, que saem mais em conta que a versão em garrafa.

Empório Alto de Pinheiros
Bar fica no bairro de Pinheiros, capital paulista (Foto: Juliana Ribeiro)

Com o boom das cervejas artesanais brasileiras, vejo que o EAP tem acompanhado esse movimento e oferecido, cada vez mais, cervejas nacionais. É bom para os empreendedores nacionais, que ganham uma grande vitrine para seus produtos e para quem gosta de variedade. Mesmo assim, as importadas ainda são o grande diferencial da casa e, apesar dos altos impostos, ainda têm preços menores que em outros bares.

 


Cardápio

Se beber no EAP Empório Alto dos Pinheiros já é bom, o cardápio é uma atração à parte. Ao contrário da maioria dos bares cervejeiros, que oferecem apenas petiscos, o EAP tem um cardápio muito bom de petiscos e refeições.

Eu indico o Picadinho de filé, arroz, feijão, couve, ovo frito e farofa de banana, mas as opções são variadas. Até hoje, gostei de todos os pratos ou petiscos que experimentei no EAP. Os preços estão dentro dos oferecidos na região de Pinheiros. Outras opções de comida boa são o Lámen e o Hambúrguer artesanal de 180g, aberto no prato.

Picadinho de file do EAP
Picadinho de filé é uma das boas opções do Cardápio do EAP (Foto: Juliana Ribeiro)
Lamen do EAP
O Lámen é uma das novidades do cardápio do EAP
Hamburguer aberto do EAP
Hamburguer aberto do EAP (Foto: Juliana Ribeiro)

 

EAP: o que saber antes de ir


Aceita reservas

No final de semana a fila de espera pode ser grande, mas é possível ficar em pé próximo ao balcão bebendo enquanto a fila anda

O bar tem água cervejeira gratuita. Basta se servir no lado direito do balcão

Os garçons são prestativos e entendem bem de cerveja

No Brasil, é um dos lugares com maior variedade de cervejas importadas. Tem preços razoáveis, considerando que são produtos importados


Como chegar

 

 

Catharina Sour é reconhecido como o primeiro estilo brasileiro de cerveja

frank-luca-71973-unsplash

 

Por: Juliana Ribeiro


Beer Judge Certification Program (BJPC), a mais importante instituição de juízes de cervejas do mundo, reconheceu a Catharina Sour como o primeiro estilo brasileiro de cerveja. O anúncio foi feito pela nesta quarta-feira (4 de julho). Outros estilos incluídos foram Burton Ale, New England IPA e New Zealand Pilsner.

A Catharina Sour é uma cerveja de trigo clara e ácida, com adição de frutas e nível alto de carbonatação, inspirada no estilo Berliner Weisse – produzido na região de Berlim, Alemanha. O nome e o estilo surgiram em 2015 no estado de Santa Catarina e, embora, não seja unanimidade vem ganhando adeptos e já pode ser encontrada em outras regiões do país.


Abracerva

O trabalho para reconhecimento internacional do primeiro estilo brasileiro de cerveja teve atuação ativa da Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva), cujo presidente é de Santa Catarina. Carlo Lapoli também foi presidente da Associação das Microcervejarias Artesanais de Santa Catarina (Acasc) e diretor comercial da Cervejaria Blumenau e da Cervejaria Handwerk.

 

Vencedora Concurso Brasileiro 2018

A Catharina Sour já havia sido incluída no regulamento do Concurso Brasileiro da Cerveja, principal do país, maior da América Latina e terceiro mundial em número de inscrições. Em 2018, as vencedoras foram:

 

Brazilian Beer –  Catharina Sour ouro Cervejaria Istepô SC ISTEPÔ GOIABÊRA
Brazilian Beer –  Catharina Sour prata CERVEJARIA UNIKA SC UNIKA CATHARINA SOUR AMEIXA E LARANJA
Brazilian Beer –  Catharina Sour bronze Cervejaria Antídoto SC Antídoto Catharina Sour Pitanga

 

Catharina Sour

Cerveja clara de trigo com frutas

 

Corpo: de baixo a médio-baixo
Cor: varia conforme a fruta adicionada, mas é frequentemente clara (fairly pale)
Aroma: “acidez láctica limpa” influenciada pela fruta utilizada
Sabor: variação de acordo com a fruta acrescenta, com “acidez láctica limpa” sempre perceptível
Teor alcoólico: de 4% a 5,5%
Amargor: de 2 a 8 IBUs

 

Clique aqui para ler a descrição completa do estilo Catharina Sour no BJCP.

 

Leia mais:

Veja alguns rótulos à venda da Catharina Sour, primeiro estilo brasileiro a constar no BJPC

 

Veja alguns rótulos à venda da Catharina Sour, primeiro estilo brasileiro a constar no BJPC

Catharina Sour foi anunciada como integrante de um dos principais guias de juízes de cerveja do mundo. Marcas catarinenses já estão comercializando versões com maracujá, pêssego, cupuaçu e amora


Fonte: Assessoria de Imprensa

O dia 4 de julho é histórico para o mercado brasileiro de cervejas. O primeiro estilo criado aqui chegou a um dos principais guias de cerveja do mundo, o Beer Judge Certification Program (BJPC). A Catharina Sour agora consta como um do estilos provisórios e poderá ser oficialmente incluída em concursos de todo o globo.

Fizemos uma seleção de algumas cervejarias que já colocaram à venda rótulos com o estilo Catharina Sour. Veja:

 

Catharina Sour Maracujá, da Cerveja Blumenau

Cerveja-Blumenau-180219-Catharina-Sour-MaracujáO estilo que nasceu em terras catarinenses está conquistando cada vez mais os paladares dos apaixonados por cerveja artesanal. Essa é uma das apostas da Cerveja Blumenau, que traz no mix a Catharina Sour Maracujá. O sabor tropical é premiado: foi medalha de prata no Concurso Brasileiro de Cervejas em 2017, na categoria experimental. O rótulo tem 2 IBUs (unidade de amargor que vai de 0 a 120) e 4% de teor alcoólico.

 

 

Catharina Sour Sun of Peach, da Cerveja Blumenau

Cerveja-Blumenau-180703-Catharina-Sour peach

 

 

A primeira Catharina Sour da Cerveja Blumenau aposta no perfume e sabor delicado do pêssego. É levemente ácida, refrescante e fácil de beber. O rótulo foi medalha de prata no Australian International Beer Awards, em 2016. O teor alcoólico é de 4,1% e 2 IBUs (escala de amargor que vai de 0 a 120).

 

 

 

Catharina Sour com cupuaçu, da Schornstein

Schornstein-180518-Catharina-Sour-Cupuaçu-Divulgação-2O Sul e o Norte se encontram neste rótulo. Do estilo nascido em terras catarinenses e com uma das frutas mais consumidas na região amazônica, a Catharina Sour com cupuaçu, da Schornstein chega ao mercado com bastante personalidade. O sabor adocicado do ingrediente é harmonizado com a acidez característica do estilo. A cerveja nasceu através do projeto Usina Schornstein, em parceria com alunos da Escola Superior de Cerveja e Malte (ESCM) e é comercializada em latas de 473 ml. Com alto drinkability, a bebida tem 4 IBUs (escala de amargor que vai do 0 a 120) e graduação alcoólica de 4%.

Catharina Sour com amora, da Alles Blau

Alles-Blau-180704-Catharina-Sour-com-amora

 

A coloração avermelhada já conquista os olhares ao servir no copo. Mas o grande destaque deste rótulo é o sabor. A Catharina Sour com amora, da Alles Blau, traz a acidez característica do estilo combinada ao dulçor da fruta. É leve, refrescante e com alto drinkability. A cerveja tem 7 de IBUs (unidade de amargor que vai do 0 a 120) e 4,6% de graduação alcoólica.

 

 

Rancho Urbano: melhor bar do Tatuapé

 

Emporio Rancho Urbano fica no Tatuape (SP)
Escondidinho de queijo com linguiça, dentro de um queijo do Serro (MG), é o prato chefe do Rancho Urbano (Foto: Juliana Ribeiro)


Um lugar com ótimo atendimento, degustação gratuita de três tipos de cachaças, cervejas artesanais variadas e comida maravilhosa. Assim é o Empório Rancho Urbano, no Tatuapé, Zona Leste de São Paulo (SP).

O bar-restaurante-cachaçaria é um daqueles lugares que você vai uma vez e indica para outros e esses vão indicando para os conhecidos. De cara, o atendimento chama a atenção porque os atendentes realmente entendem de cerveja e cachaça e conseguem explicar tão bem os pratos, que basta ouvir para já ter vontade de comer.


O Rancho Urbano tem 12 torneiras de chopes artesanais com opções que vão do tradicional Pilsen a uma boa Barley Wine. A carta de cervejas em garrafas também não decepciona e para quem gosta de uma boa cachaça, três garrafas em cima do balcão estão disponíveis para quem quiser experimentar.

Escondidinho dentro do queijo

No cardápio, o prato mais pedido e que eu, com certeza, indico é o Escondidinho Serro Estrela. Esse manjar dos deuses é um queijo trufado (recheado com linguiça) da região do Serro (MG), que transforma-se em dois pratos com pão italiano e pimenta biquinho como acompanhamentos.


Primeiro prato: o queijo redondo tem sua parte externa preservada e a parte interna é derretida. Ele chega à mesa como se fosse uma panelinha.

Segundo prato: a parte externa do queijo é derretida e fica parecida com um fondue de queijo como linguiça.

 

 

Confira aqui o cardápio online de comidas e bebidas.


Veja como chegar

 

 

 

 

Vem aí a 13ª cerveja Trapista do mundo

Tynt Meadow é a nova cerveja Trapista
O nome Tynt Meadow é homenagem ao local onde os monges estabeleceram-se em 1835 (Foto: bbc.com)


Fonte: BBC News
Por: Juliana Ribeiro

O mosteiro inglês Mount Saint Bernard Abbey (Abadia do Monte São Bernardo) recebeu autorização para começar a produzir cerveja Trapista. Este é o primeiro mosteiro da Inglaterra e o 13º do mundo autorizado a usar o selo da Associação Internacional Trapista em seus produtos.

Os monges decidiram abrir a cervejaria em 2013, depois que, por razões econômicas, tiveram que fechar a fazenda que mantinham no local.

A nova cerveja começa a ser vendida em julho, apenas na abadia e em lojas próximas ao local. O nome será Tynt Meadow, em homenagem ao local onde os monges estabeleceram-se em 1835. O teor alcoólico deve ficar em torno de 7,4%.

 

O que é cerveja trapista?

De acordo com a International Trappist Association, a cerveja deve ser preparada dentro da abadia pelos monges ou sob sua supervisão.

As atividades da cervejaria devem ser secundárias em importância para o trabalho e modo de vida do monastério

Não deve ser administrado como um empreendimento lucrativo, com fundos para financiar as despesas e os gastos dos monges e para ajudar causas beneficentes.

Seis das 12 cervejarias trapistas estão sediadas na Bélgica, com duas da Holanda e uma na Áustria, na Itália e nos EUA.

Alguns mosteiros trapistas também fazem pão, queijo, chocolate e outros produtos

Outros produtos alcoólicos feitos por diferentes ordens de monges incluem o licor francês Chartreuse e o controvertido vinho tônico Buckfast, que é feito em Devon.

 

 

 

Onde beber cerveja artesanal no Brasil

cópia de tom-quandt-534725-unsplash

 

Se você é desses (as) que toda vez que chega a uma nova cidade já começa a procurar bares para beber cerveja artesanal, seja bem-vindo (a).

Aqui é o seu lugar!

 

 

Distrito Federal

Brasília

Goiás

Pirenópolis

São Paulo

São Paulo (capital) 

Chef e cervejeiro elogia gastronomia goiana

Ronaldo Rossi_credito_divulgacao
Chef e cervejeiro Ronaldo Rossi: elogios aos sabores do Cerrado (Foto: Divulgação)

 

Renomado nacionalmente, Ronaldo Rossi explica ser possível combinar sabores de pratos e cervejas regionais. Pequi, por exemplo, é ótimo para a mistura, diz

 

Fonte: O Popular
Por: Juliana Ribeiro

O chef de cozinha e cervejeiro Ronaldo Rossi é daqueles que não titubeiam ante à fatídica pergunta. “Adoro pequi. De verdade”, responde rápido. Um dos especialistas brasileiros mais conhecidos e respeitados quando se fala de gastronomia e cerveja, o chef esteve recentemente no Estado para evento sobre cervejas e se declarou apaixonado pela gastronomia goiana e por sua variedade.

Com mais de 20 anos de experiência, ele ainda se diz surpreso com a diversidade dos biomas brasileiros e conta que não conhecia algumas especialidades da terra, como carne de lata e nem cajazinho. “Incrível como alguns produtos ficam restritos às suas regiões, sendo que poderiam ser mais divulgados. A variedade dos biomas brasileiros é impressionante”, destaca.

Para harmonizar receitas goianas com cerveja, um dos desafios aos quais se lançou na visita, ele afirma que é preciso considerar o sabor marcante dos pratos, que, pelo menos por aqui, costumam ter muitos condimentos. “Harmonizar é quando você pega dois elementos que são muito bons em separado e que, juntos, são muito melhores”, explica.

Embora as possibilidades de harmonização sejam grandes, ele indica o estilo de cerveja Saison como o mais versátil para “combinar” com pratos da região. “Se eu tivesse que escolher um único estilo de cerveja, seria esse. Não tem erro”, diz, citando um estilo originário do sul da Bélgica, que era fabricada em períodos sazonais (daí o nome em francês). O tipo possui cor alaranjada e sabor marcante de frutas e temperos, geralmente adicionados à composição. Também é bem refrescante e possui teor alcoólico entre 3,5% a 9,5%.

No preparo de pratos

Ronaldo Rossi também dá algumas dicas para cozinhar com cerveja. Ele diz que prefere usar cervejas mais fortes e alcoólicas para garantir que o sabor continue mesmo depois do cozimento. Outra dica é incluir a cerveja na fase final de preparo, até em substituição à água. Segundo ele, pratos doces e salgados pode ser enriquecidos com o ingrediente.

Além de especialista em harmonização com cervejas, Rossia também é referência no uso de cerveja como ingrediente culinário, a conhecida “cuisine à la bière”. Ele foi pioneiro no Brasil, onde a prática ainda não é tão comum, embora seja tradicional em países com forte tradição cervejeira como a Bélgica. O chef diz que nunca sentiu resistência das pessoas ao uso de cerveja na cozinha porque há pratos populares no Brasil que já usam o ingrediente. “Todo mundo tem uma tia ou avó que tem uma receita de frango ou carne bovina com cerveja em seu caderno de receitas”, ressalta. (Juliana Ribeiro é jornalista e sommelier de cerveja)


Tem cerveja no empadão goiano

 

Empadao goiano com cerveja
Empadão goiano com molho de cerveja: sugestão é combinar com rótulo de Saison que tem pequi na composição (Foto: Rossini Pita)

 

Uma receita de empadão goiano com molho de cerveja foi uma das novidades que Ronaldo Rossi escolheu para o almoço harmonizado oferecido durante o 1º Congresso Técnico de Sommeliers, em Pirenópolis, há poucas semanas. A eleita foi a cerveja Astúria Red Ale com rosas e hibisco. Harmonizado com a cerveja Colombina Saison do Pé Rachado, o prato tem pequi em sua composição.

A receita do empadão é da aluna de Gastronomia da Universidade Estadual de Goiás (UEG) Marilene da Luz. Segundo ela, é uma receita de família, que era preparada pela mãe em forno de barro. “É nosso prato típico do Natal”, explica. Outros pratos, também passíveis de receber cervejas na receita e ser combinados com elas, são pamonha de panela e carne de porco na lata com a cerveja Angel Dust, estilo Belgian India Pale Ale, e tiramissu, com cerveja do estilo Belgian Dark Strong Ale.

 

 

MASSA

1 kg de farinha de trigo

80 ml de óleo

250 ml de água

1 ovo

15 g de fermente em pó

Colocar em um recipiente todos os ingredientes, adicionando a água conforme necessidade e amassar bem. Deixe descansar por 30 minutos

RECHEIO

2 kg de peito de frango frito, cozido e desfiado

1 kg de linguiça assada

300g queijo minas frescal em cubos

200g de azeitonas sem caroço

250g guariroba fatiada

3 pão francês picadinho

600 g de batata cozida cortada em cubos

3 unidades de cebola finamente picadas

1 maço de cebolinha verde picadas

1 cabeça de alho amassado

1 colher de café de açafrão

3 unidades de pimenta dedo de moça

Sal e pimenta a gosto

100g de farinha de trigo para engrossar o molho

Preparo

MOLHO

Fazer o molho na panela da fritura do frango. Retirar a gordura da panela, deixando uma concha rasa. Refogar o alho e a pimenta do reino e dedo de moça, adicionar 2 colheres de sopa de extrato de tomate e deixar fritar por 2 minutos. Juntar o frango frito e adicionar 1 litro de água para cozimento. Enquanto isso colocar a linguiça para assar. Depois de assada, fatiar em rodelinhas e reservar. Depois de cozido o frango, retirar da panela e reservar. Juntar com os demais ingredientes.

Em um recipiente, colocar 100g de farinha de trigo com 200 ml de água, mexer até diluir. Adicionar ao molho do frango e deixe engrossar, mexendo de vez em quando, até o molho ficar espesso. Reserve.

REDUÇÃO DE CERVEJA

Colocar a cerveja numa panela e levar ao fogo para reduzir por 1/3, retirando as impurezas. Adicionar a redução ao olho pronto.

MONTAGEM

Passar a massa no cilindro ou rolo de macarrão, cobrir o fundo de uma forma untada. Fazer camadas: pão, molho, frango, batata, linguiça, queijo, guariroba, azeitona, cebola e cebolinha, molho. Cubra o empadão com outra massa, faça aparas com a tesoura e enrole com as pontas dos dedos, fazendo uma borda torneada.

Receita: Marilene da Luz

Distrito Federal: onde beber cerveja artesanal

 

Brasilia

A cena cervejeira em Brasília e em outras cidades do Distrito Federal está borbulhando e as novidades são constantes. Novas cervejarias e bares surgem a cada mês.

Confira os bares que eu indico.

 

Brasília

 

Beco das Garrafas (como chegar)

Cervejaria Criolina

Curral da Corina

Bar Godofredo

Empório Soares e Souza

I Love Beer Tap House

London Street Pub (como chegar)

Mestre Cervejeiro

Pinella

Santuário Casa da Cerveja

Stadt Bar & Music

 

 

Guará

Mercadinho Lobão

Santa Dica, a cerveja artesanal de Pirenópolis


Se estiver em Pirenópolis (GO), cidade do interior de Goiás entre Goiânia e Brasília, não deixe de visitar a fábrica bar da Cerveja Santa Dica. Fica bem no centro histórico da cidade, em uma ruazinha de paralelepípedo. 

O lugar é pequeno e se for durante a semana, dá para ver a cerveja sendo feita pelo vidro que separa o bar da fábrica. É só entrar, pedir chope ou escolher sua cerveja preferida em uma das duas geladeiras. Pelo menos metade das cervejas disponíveis são do estado de Goiás.

Depois, é só escolher uma das mesinhas no lado de fora, sentar e ver a vida passar no ritmo do interior. Vale a pena!

Trigo com hibisco


A Santa Dica tem três tipos de cerveja: Trigo com hibisco, Imperial Pale Ale e Kölsch. Chama atenção do rótulo das garrafas e toda a identidade visual da marca, que é muito bonita e remete às Cavalhadas – batalha teatral entre mouros e cristãos realizada anualmente e que remete à Idade Média.

 

Santa Dica: como chegar

 

 

Fotos: Arquivo pessoal

São Paulo: onde beber cerveja artesanal

Tarefa difícil escolher um bar ou restaurante para beber cerveja artesanal na capital paulsita porque as opções são inúmeras. A cada dia novos lugares são inaugurados e, por isso, essa lista está sendo constantemente atualizada.

Confira a listagem que está divida por regiões!

 

Zona Central

 

Bairro Consolação

Tap Tap SP


Paulista

Bar do Urso

Asterix Cervejaria


Vila Buarque

Bar do Urso

Cervejaria Dogma

 

Zona Leste

 

Mooca

Bar do Urso


Tatuapé

Blackpool Pub

Cervejoteca

Empório Rancho Urbano


Vila Gomes Cardim

Bar do Urso

 

Zona Norte

 

FrangÓ

Taberna ChoppWagen

Zona Oeste

 

 

Butantã

Bar do Urso


Cerqueira César

Bar do Urso


Itaim Bibi

Fritz Cervejaria Artesanal


Perdizes

Bar do Urso

Trilha Cervejaria


Pinheiros

3 Brasseurs

Ambar Cervejas Especiais

Bar do Urso

BrewDog São Paulo

Cateto Pinheiros

Cervejaria Nacional

Choperia São Paulo

Delirium Café São Paulo

EAP – Empório Alto de Pinheiros

Goose Island Brewhouse


Pompéia

Capitão Barley Cervejas Especiais

Cervejaria Ideal (como chegar)


Vila Ipojuca

Casa Avós Cerveja Artesanal (como chegar)


Vila Madalena

Cerveja Artesanal São Paulo

SP Tap House


Vila Romana

O Pingado (antigo Sagarana)

Seraphina Cervejaria 

 

Zona Sul

 

Moema

Barcearia

La Fraternité


Vila Andrade

Bar do Urso


Vila Mariana

Cervejoteca


Vila Nova Conceição

Bar do Urso

 

 

 

 

%d blogueiros gostam disto: