Avenida Paulista é de todas as tribos

Avenida Paulista, 671. Este foi meu endereço residencial por mais de cinco anos. Nesse período, trabalhei em uma empresa que também ficava na avenida e por dois anos eu ia e voltava a pé do trabalho, diariamente, gastando menos de 20 minutos. Quando morava lá, adorava acordar, abrir a janela e olhar toda a extensão da avenida do alto do quinto andar, apesar do barulho do trânsito, que nunca para. Nunca mesmo.

Avenida Paulista_Foto Juliana Ribeiro
Fim de tarde na Avenida Paulista

Talvez por isso minha relação com a Paulista seja sentimental. É meu lugar preferido em São Paulo e onde eu sempre me sinto em casa. Para mim, o charme da avenida é sua pluralidade, sua mistura de culturas. Todas as tribos se encontram ali e a maioria se identifica com o lugar. A avenida é um retrato fiel de São Paulo, do que há de melhor e pior na cidade: mistura mulheres e homens bem vestidos saindo de seus escritórios com muitos moradores de rua, pedintes e ladrões.

“A Paulista é igual a casamento. Começa no Paraíso e termina na Consolação.”

A piada só faz sentido para quem conhece a região e sabe que a avenida começa na Avenida Bernardino de Campos, bairro do Paraíso, e termina na Avenida Consolação. O trocadilho é sem graça, mas sempre lembrado.

Paulista Aberta

Avenida Paulista
Paulista é fechada para os carros, aos domingos e feriados (Foto: Juliana Ribeiro)

Aos domingos e feriados, a Paulista é fechada para os carros e tomada por pessoas muito diversificadas. Famílias, casais héteros e gays, artistas, jovens, ciclistas, skatistas, turistas. Enfim, muita gente passa pelo local nesses dias. A diversidade também aparece nas apresentações artísticas. Cantores de estilos variados, pregações religiosas, malabaristas e muitos outros.

O trecho com mais pessoas é o que fica entre a Avenida Augusta e a região próxima da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Porém, dependendo do dia, “o mar de gente” se estende até o Shopping Pátio Paulista, quando a avenida muda de nome e vira Rua Bernardino de Campos.

Como chegar

As opções culturais, gastronômicas e etílicas da Avenida Paulista são grandes. Se não quiser caminhar muito, antes de ir, pesquise qual estação de metrô, ponto de ônibus ou estacionamento utilizar antes de sair. A avenida tem três estações de metrô: Brigadeiro, Trianon-Masp, Consolação, todas da Linha Verde.

Também é possível ir de metrô pela Linha Amarelae descer na Estação Paulista, que fica na Avenida Consolação (cuidado para não se confundir!). Se for de carro, os melhores estacionamentos, com preço único, ficam na Alameda Santos ou na Avenida Augusta.

Veja o mapa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s